NESCAU® lança versão 3.0 com menos açúcar e mais fibras

 NESCAU®, marca líder no segmento de achocolatado em pó e parceira dos pais no desenvolvimento saudável de seus filhos, lança em agosto uma nova fórmula para seu achocolatado em pó, com 33% menos açúcar, mais fibras e o sabor de NESCAU®. Fruto de dois anos de pesquisa, NESCAU® 3.0 tem caraterísticas nutricionais ainda mais equilibradas, ajudando a proporcionar uma alimentação balanceada para as crianças, principalmente no café da manhã.

Com a maior rede de Pesquisa & Desenvolvimento da indústria de alimentos no mundo, com 34 instalações e mais de 5.000 pessoas envolvidas, a Nestlé®, líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, trabalha constantemente na jornada de aprimoramento de seu portfólio. Como resultado, a empresa vem desenvolvendo diversas melhorias nutricionais na linha de produtos NESCAU® e apresenta agora o novo NESCAU® 3.0, que aponta para o futuro da categoria de achocolatados no país. Além da redução na quantidade de açúcar, NESCAU® 3.0 é fonte de fibras, mantendo o exclusivo complexo Activ-Go: com vitaminas, ferro e cálcio, ideal para começar o dia com nutrientes importantes para uma alimentação equilibrada.

NESCAU® 3.0 chega às prateleiras de todo o país a partir do mês de agosto, disponível em embalagem de 380g (lata). O novo produto entra no portfólio de NESCAU® como mais uma opção saudável para os consumidores e fãs da marca. As demais versões do produto continuam fazendo parte do portfólio, para garantir aos consumidores um amplo leque de escolhas.
Alimentação equilibrada e prática de atividades físicas

Por acreditar na importância do estímulo a uma alimentação equilibrada, começando pelo café da manhã, em conjunto com a prática regular de atividades físicas, NESCAU® vem desde sua criação, em 1932, apoiando eventos e campeonatos esportivos com o objetivo de inspirar e mobilizar crianças e jovens.

Em 2015, a marca criou a Copa NESCAU®, que reuniu 58 escolas das redes pública e privada de São Paulo para disputarem partidas de diferentes modalidades. Além disso, para incentivar a ocupação de espaços públicos na área urbana e resgatar a diversão por meio da prática esportiva, NESCAU® criou, em 2016, o projeto JOGADEIRA, disponibilizando mobiliários e recreadores para acompanhar crianças em jogos e brincadeiras durante as manhãs de domingo na cidade de São Paulo. O projeto funciona atualmente na Vila Madalena (Zona Oeste) e no Parque Císper (Zona Leste) e, em breve, deve ser expandido para outras regiões da cidade.

A geração de curativos BetaplastTM chega ao Brasil


A Mundipharma, líder no tratamento da dor, lança a linha de curativos BetaplastTM, que protege pequenos ferimentos e cria condições apropriadas para a cicatrização adequada. Os produtos contam com formatos inovadores para cuidar de forma rápida e segura todos os tipos de ferimentos, e apresentam exclusiva tecnologia que facilita a maior absorção e a troca do curativo, sem aderir a ferida, reduzindo a experiência de dor. 

Resistentes à água, todas as versões da linha duram até quatro dias sem precisar trocar o curativo e a diversidade de formatos disponíveis garante o melhor cuidado de cada tipo de Segundo a dermatologista Camila Saab, um bom curativo deve respeitar alguns detalhes:

“Facilidade de remoção, conforto e não exigência de trocas frequentes são fatores fundamentais para cicatrização do ferimento. A correta limpeza e a proteção adequada dos machucados evitam a infiltração de bactérias na região e possíveis infecções”.

Este é o segundo lançamento da companhia no Brasil para o segmento de consumo – em 2015, a Mundipharma iniciou a comercialização da linha BetacareTM, antissépticos de ação rápida e amplo espectro, que oferecem proteção contra infecções causadas por bactérias, vírus e fungos.

Segundo Janaina Menegatti, Gerente de Marketing de Consumo, “a linha reitera o posicionamento da empresa na área de Consumer Health no Brasil, que passa a ter como o público feminino como prioritário e busca dialogar também com jovens, homens e esportistas”.

Ela ainda destaca que o lançamento está alinhado à estratégia da Mundipharma de oferecer tratamentos inovadores no gerenciamento da dor, se posicionando como líder no segmento.

Os produtos já estão disponíveis em todas as regiões do Brasil por meio da rede Farma Delivery, com pedidos pelo site www.farmadelivery.com.br e telefone (11) 4972-8277.

Linha SOS Cachos Kids traz novidades para as molinhas dos pequenos

Salon Line, uma das maiores fabricantes de cosméticos do Brasil e referência de tratamento para cabelos cacheados e afros, inova mais uma vez com seu primeiro lançamento infantil, a SOS Cachos Kids. Para cuidar dos cabelos dos pequenos a partir de três anos, a linha é composta por Shampoo, Condicionador e Ativador de Cachos, que proporcionam um tratamento completo para os fios. Todos os produtos são dermatologicamene testados e possuem ingredientes mais suaves para as crianças.

Os cabelos crespos e cacheados são mais frágeis e ressecam com facilidade, sendo assim, exigem cuidados especiais. Toda atenção é pouca na hora de escolher o produto certo para esse tipo de fio. O tratamento diário é essencial para promover brilho e maciez, por isso, nada melhor que usar produtos com ativos naturais, que não agridem e proporcionam diversos benefícios para o couro cabeludo e sua extensão.

Sua fórmula, indicada para cabelos cacheados, crespos e volumosos, resulta em hidratação, desembaraço, brilho, maciez, controle do frizz e proteção UV, proporcionando nutrição aos fios. O Shampoo e Condicionador promovem a limpeza, hidratação e desembaraço. Já o Ativador de Cachos é essencial para tratar, nutrir, umidificar e modelar as molinhas. Juntos, conseguem reter os nutrientes presentes em suas fórmulas, tornando o cuidado com os cabelos ainda mais alegres e sem muitos incômodos.

Pom Pom oferece opção segura e prática para a hora do banho dos pequenos

Quem me conhece sabe que gosto de produtos bons para a Gaby... e os produtos da PomPom eu testei e aprovei... e o melhor, me apaixonei!!!

Pom Pom, marca referência em cuidados infantis, conta com um linha completa de produtos para o banho, com sabonetes em barra, shampoos e condicionadores, spray desembaraçante, talco, colônia, lenços umedecidos, creme preventivo de assaduras e o já queridinho sabonete espuma “Da Cabeça aos Pés” – ideal para um banho refrescante, rápido e prático.



O sabonete espuma Pom Pom “Da Cabeça aos Pés” limpa o corpo e os cabelos do bebê de forma prática e delicada. O produto contém glicerina, que auxilia na hidratação da pele, proporciona o famoso cheirinho de bebê que ninguém resiste, é livre de corantes, é oftalmo e dermatologicamente testado e conta com fórmula “sem lágrimas”. A embalagem possui válvulapump exclusiva no mercado, que facilita o manuseio na hora do banho e torna esse momento ainda mais prático.
 
Pom Pom está presente em todos os momentos do cuidado infantil, na troca de fraldas, passando pelo banho e o pós-banho. Todos os produtos da marca podem ser encontrados em farmácias, drogarias e supermercados de todo o país.

SETE DICAS DE REDOXITOS® PARA ABRIR O APETITE DAS CRIANÇAS

Uma das principais preocupações e dúvidas dos pais com relação aos filhos está relacionada à alimentação dos pequenos, se eles estão comendo suficientemente bem para crescer e se desenvolver de forma saudável, afastando algumas doenças.

Trata-se de um tema que exige calma e paciência por parte dos pais e responsáveis. Isso porque algumas crianças  podem apresentar falta de apetite, recusando-se a comer durante as refeições, o que dificulta a ingestão de alguns alimentos importantes para o crescimento.

Para tentar mudar esse quadro sem causar trauma ou sofrimento nas crianças, a linha Redoxitos® – composta pelo tradicional suplemento alimentar infantil de vitamina C e o recém-lançado Redoxitos®+, com vitaminas C, D e zinco – sugere sete dicas para ajudar os pais a abrir o apetite das crianças:

·         Respeite o horário das refeições – As crianças precisam se alimentar regularmente ao longo do dia e sempre nos mesmos horários para criar uma rotina, educando, assim, o organismo a sentir fome sempre na mesma hora. Importante: não beliscar entre as refeições.

·         Não substitua as refeições – Se a criança não quiser comer na hora do almoço, por exemplo, não dê alimentos como doces ou chocolates no horário.
Você pode oferecer o mesmo alimento, que deve ser adequadamente guardado na geladeira para quando ele estiver com fome, ou esperar a próxima refeição para oferecer o alimento apropriado.

·         Quantidade de comida no prato – Quantidade nem sempre quer dizer qualidade. Uma refeição composta por alimentos saudáveis oferece os nutrientes necessários para a saúde dos pequenos. Haja com determinação para que a criança se alimente adequadamente, mas para isso você não precisa forçá-la a comer grandes quantidades ou brigar com ela.

·         Envolva a criança no preparo das refeições – Crianças gostam de ajudar e se sentir úteis. Por isso, os pais podem pedir o auxílio dos pequenos, ensinando-os, por exemplo, a lavar alguns alimentos e também a preparar a mesa para a refeição.

·         Inove na hora de preparar os alimentos – Para oferecer opções aos pequenos, prepare alimentos de formas diferentes, como cozidos, assados ou grelhados, proporcionando, assim, diferentes cores e texturas.

·         Apresente os alimentos – Na hora de ir ao supermercado ou ao hortifruti, leve as crianças e faça desse um momento de aprendizado também. Apresente novos alimentos, como frutas, verduras e legumes, e peça ajuda na hora de colocá-los no carrinho. Ter uma mini-horta em casa também ajuda nesse processo, além de ensinar o cultivo para consumo de uma forma saudável.

·         Dê o exemplo – Os pais são os primeiros e maiores exemplos para os filhos. Por isso, é importante que esses hábitos alimentares saudáveis venham de casa, onde todos comam os mesmos alimentos e as refeições sejam um momento importante e prazeroso para toda a família.
 Dra. Kelly Marques Oliveira através da Lansinoh Brasil apresenta alguns mitos da amamentação... 
  
Vamos falar sobre: Devo amamentar somente um lado por vez?
  
A amamentação e regras não combinam, não é mesmo? Além disso, cada bebê é único e se comporta de um jeito...assim como o binômio mãe – bebê. O mais importante, mamãe, ao amamentar o seu bebê, é você observar como o seu bebê se comporta. Ele parece agitado no peito? Muito sonolento? Fica irritado e logo solta? Parece querer mamar mais mas não consegue? Ou quando termina de mamar ele parece satisfeito, até um pouco molinho, com um sorriso no rosto?

Se o bebê mama somente um lado e parece agitado, fica procurando o peito, chora, ele está dando sinais de quer mamar mais! Nos recém nascidos isso pode NÃO acontecer, e nem por isso os bebês não estão com fome. Bebês muito sonolentos que não mamam, não sustentam a pega, estão com dificuldades, e podem estar muito cansados para conseguirem mamar. Bebês prematuros ou baixo peso, ou filho de mãe diabética ou que teve diabetes gestacional tem maior risco de fazer hipoglicemia, e devem ter uma atenção especial. Esteja atenta se o bebê está fazendo xixi adequadamente, é uma bom parâmetro para avaliação. Além disso, é importante se perguntar se tem algum fator que pode estar atrapalhando a amamentação, como estresse, privação de sono, dificuldade de alimentação (coisa que quase as mães não passam né?)  

“Amamentar somente um lado por vez” veio de outro mito também, de que o bebê precisa chegar no leite posterior. O leite anterior seria o leite com maior quantidade de água, e menor quantidade de gordura, proporcionalmente. A sua cor é branca acinzentada. Ele mata a sede do bebê. O leite posterior, por sua vez, seria rico em gordura, importante para o bebê ganhar peso. Ele é branco amarelado. No entanto, isso não é bem assim...
  
Existem 3 coisas extremamente importantes, veja abaixo:
  
A gordura do leite aumenta proporcionalmente ao longo da mamada
  
Existe gordura no começo da mamada! Porém em menor quantidade. Ao longo da mamada essa gordura aumenta. É difícil então saber a partir de quando que “vira” leite posterior não é? Se pensarmos dessa forma, simplesmente o leite “anterior” e “posterior” não existem, o que existe é o aumento de gordura ao longo da mamada.
Uma coisa interessante é que mães que produzem menos leite, ainda assim a quantidade de gordura permanece constante. Por exemplo, uma mãe que produz 500ml de leite em 24h, e uma outra mãe que produz 800ml de leite em 24h, a quantidade de gordura em valor absoluto é semelhante. O nosso corpo é sábio, e sabe que a gordura é importante para o bebê.
  
A produção de leite se dá pelo esvaziamento da mama
  
Sim! Isso é verdade! Quanto mais o bebê mama, mais leite produz, pois o seu corpo entenderá que precisa produzir mais leite, isso ocorre através de mecanismos hormonais. É claro que milhares de coisas podem afetar a produção de leite, pois interferem nesse mecanismo, como estresse, privação de sono, ansiedade, alimentação (entenderam a importância de vocês cuidarem também do seu corpo?). Por isso é tão importante que se faça a livre demanda, principalmente quando o bebê está passando por algum salto de crescimento, doença ou algum período que demande mais leite.
  
Precisa haver transferência de leite, antes de tudo
  
Não adianta nada o bebê ficar mais de uma hora em um lado da mama se não está mamando de fato! Muitas vezes os bebês que estão com dificuldade para mamar estão com problemas na transferência de leite, seja pela pega ou posição inadequada, o bebê que tem língua presaconfusão de bicos com uso de bicos, mamadeiras ou chupetas. Avalie se seu bebê está mamando, se engole leite enquanto mama. Use compressões na mama se for preciso. Se não estiver mamando, troque o lado.  

O que tudo isso significa afinal? Devo, ou não oferecer os dois lados numa mesma mamada?

Não existe resposta certa para isso. Tem muitos bebês que mamam super bem e só mamam um lado por vez, as mães são ótimas produtoras de leite. Provavelmente estes nunca terão problema. Por outro lado, algumas mães sempre lutam com a produção de leite. Nesses casos, você deve oferecer os dois lados, para que não haja inibição da sua produção de leite. O bebê sempre vai mamar os dois lados? Nem sempre. Mas ele pode escolher.

Aleitamento materno e as dúvidas mais comuns das mamães

Em linha com a Semana Mundial do Aleitamento Materno, especialista esclarece as principais dúvidas que as mamães apresentam nesse momento de descobertas

Afinal de contas, quando nasce uma mãe? Alguns comentam que o nascimento de uma mãe se dá na chegada do bebê, outros falam que é desde a descoberta da gravidez. Não existe reposta certa, nem um manual ideal para guiar as mamães. A única coisa que se sabe é que as mulheres precisam se preparar para essa nova fase cheia de desafios, principalmente considerando a importância do aleitamento materno para a saúde dos seus bebês.

Aproveitando a Semana Mundial do Aleitamento Materno, que acontece entre os dias 1º e 5 de agosto, o Prof. Dr. Corintio Mariani Neto, diretor técnico do Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, responde as dúvidas mais comuns quando o assunto é amamentação. Afinal, a Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde recomendam aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses e complementado por até dois anos ou mais.
Segundo o especialista, existem dados disponíveis no Ministério da Saúde em relação ao aleitamento exclusivo: a média nacional é de 60% no final do primeiro mês, 25% ao completar quatro meses e em torno de 10% com seis meses completos. Embora dados mostrem aumento da porcentagem nos últimos anos, o ideal é atingir próximo de 100% até o final do 6º mês. O médico reforça que ainda há muito a fazer para que se chegue cada vez mais perto do ideal.

Quais são as principais preocupações no momento de amamentar?
As mamães precisam estar muito atentas aos conflitos emocionais e conversar bastante com o obstetra para esclarecer todas as dúvidas e eliminar fatores de ansiedade. Ao mesmo tempo em que a mãe deseja muito amamentar seu bebê, ela tem muito medo de não produzir este leite em quantidade suficiente ou que ele seja fraco, que o bebê não queira mamar no peito. O entendimento por “leite fraco” é uma causa muito frequente do chamado desmame precoce. Esclarecendo, não existe leite fraco, nem leite forte, cada mãe produz o leite mais adequado possível para o seu bebê. Além disso, o tamanho do seio não tem influência nenhuma no sucesso da amamentação.

Quais alimentos podem ser inseridos e aqueles que devem ser evitados?
Dieta balanceada e constituída por carnes magras, aves, ovos, peixes e frutos do mar, verduras, cereais e frutas. Durante a amamentação, sugere-se moderação de alguns produtos que podem provocar alergias ou mesmo gases e cólicas intestinais na criança, tais como leite de vaca, amendoim, frutas secas, soja, café, chocolate, refrigerantes, chá preto, mate, feijão, repolho e batata doce. Importante beber bastante líquido, pelo menos dois litros por dia, especialmente água natural.

O que a mãe pode fazer para o leite não secar?
Quanto mais a criança suga o peito materno, mais leite é produzido. O que ocorre com muita frequência é que, por falta de conhecimento ou orientação incorreta, a mãe “complemente” a alimentação da criança com fórmula artificial por meio de mamadeira. Essa introdução precoce do bico artificial pode levar o bebê a recusar o peito, fazendo que o leite diminua progressivamente.

O que é comum as mamães fazerem que não é recomendável?
Não há embasamento científico para que a gestante esfregue os mamilos com “buchinha” durante o banho diário e/ou com toalha felpuda ao se enxugar, com intuito de aumentar a resistência dos mesmos e evitar as chamadas rachaduras (ou fissuras), muito frequentes nos primeiros dias após o parto, especialmente nas que dão à luz pela primeira vez. Também não deve ser utilizado produto algum sobre os mamilos e aréolas mamárias, apenas um hidratante na superfície restante das mamas, assim como no resto do corpo.

Existe alguma técnica mais recomendada para a amamentação?
O posicionamento e a sucção correta são as duas chaves para o sucesso. A mãe deverá estar relaxada e confortável, o corpo do bebê encostado ao seu, com cabeça e tronco alinhados e seu queixo deve tocar o peito materno. O braço da mãe será o suporte de apoio do bebê. Para a sucção correta, o bebê deverá estar com a boca bem aberta, de modo a cobrir quase toda a parte inferior da aréola mamária, o lábio inferior voltado para fora, sua língua acoplada ao peito, suas bochechas estarão arredondadas, a sucção será lenta e profunda intercalada por pequenas pausas, de modo que se consiga ver e/ou ouvir os movimentos de deglutição. É muito importante a mãe aprender que a técnica correta é quando a criança suga a aréola, não o mamilo.

Na hora de amamentar, o que muitas mães fazem e que deveria ser evitado?
Durante a mesma mamada, interromper a amamentação para mudar de lado é uma orientação errada. Quando a criança começa a sugar, ela recebe o leite chamado “anterior”, que está próximo à saída e que é mais diluído. Depois de certo tempo, que é variável, começa a chegar o leite “posterior”, recém-produzido, que é bem mais rico em gorduras e que sacia a fome do bebê.

É verdade que quando a mulher amamenta, ela não engravida?
Algumas mulheres podem voltar a ovular mesmo no período da amamentação quando o ciclo menstrual pode estar bloqueado devido à supressão dos hormônios. E para que previna uma nova gravidez, é necessário que a amamentação seja exclusiva com as mamadas frequentes e nenhum intervalo superior a seis horas entre uma e outra. Além disso, vale só para os primeiros seis meses e a mulher não pode ter menstruado. Como esta rotina não é fácil, recomenda-se, para maior segurança, que ela comece a adotar algum tipo de método contraceptivo a partir da sexta semana após o parto. Logo no primeiro retorno ao ginecologista, o ideal é que a mãe converse sobre o método mais adequado para evitar uma nova gravidez em pouco tempo.

A mãe pode contar com algum contraceptivo durante a amamentação?
É possível encontrar pílula anticoncepcional desenvolvida especialmente para as mamães que estão amamentando, que é composta de progestagênio, hormônio que pode ou não inibir a ovulação, dependendo do tipo e dosagem. Existem as minipílulas e as pílulas só de progestagênio em dose maior. Ambas podem ser tomadas a partir da sexta semana depois do parto. Como são livres de estrogênio, não inibem a produção de leite materno nem tampouco interferem na sua qualidade e volume. Outro benefício é que não alteram o gosto do leite. Além dessas pílulas, também podem ser usados neste período injeções trimestrais de medroxiprogesterona, implante subdérmico de etonogestrel e o DIU com levonorgestrel.

6 alimentos que ajudam a produzir leite materno

Um dos maiores temores das futuras mamães de primeira viagem, sem sombra de dúvidas, é sofrerem com dificuldades na produção de leite materno. Se você está grávida, provavelmente já ouviu falar de sugestões para aumentar a produção desse alimento tão importante para o seu filho, como comer canjica ou tomar cerveja preta. Aqui, vamos te dar 6 alimentos que ajudam a produzir leite materno e, assim, você pode ficar mais confiante e preparada.
Apesar de muitas dessas sugestões não trazerem resultados satisfatórios para a grande maioria das mães, é possível afirmar que alguns alimentos são sim capazes de ajudar a aumentar a produção láctea na mulher.
Confira, nesse artigo, uma lista de 6 alimentos que podem ser adicionados na sua rotina, para fazer a sua produção de leite ficar mais eficiente!

Semente de erva doce

A semente de erva doce, muito utilizada para fazer chás e até mesmo para temperar saladas ou adicionar em molhos, é um ótimo alimento para quem está precisando dar aquele gás na produção do leite materno. Alguns especialistas em nutrição e saúde da mulher acreditam que essa semente apresenta compostos que estimulam a produção glandular mamária, aumentando o volume de leite oferecido pela mãe.
Além dessa grande vantagem, a erva doce também pode ajudar a prevenir algumas cólicas no bebê, visto que suas características são absorvidas por eles também no leite.

Manjericão

Quem não adora um manjericão em uma receita tipicamente italiana, não é mesmo? Esse ingrediente saboroso também é uma ótima ajuda para as mamães que precisam aumentar a produção de leite. Por ser rico em vitamina K, esse nutriente atua diretamente na capacidade das glândulas mamárias de produzirem o leite materno.
Além disso, o manjericão tem um efeito calmante importante para a mulher, uma vez que, relaxada, consegue produzir ainda mais leite.

Semente de endro

Outra semente poderosa e que pode ajudar na produção de leite materno é a semente de endro ‒ não tão popular na nossa alimentação. Pode ser usada para fazer chás, para compor granolas e até mesmo para temperar alguns alimentos.
Essa semente é uma excelente fonte de ferro e cálcio, nutrientes indispensáveis para a produção de um leite materno nutritivo.

Aveia

Comer carboidratos integrais também é essencial para quem quer ter uma produção de leite satisfatória. A aveia é uma boa opção para quem precisa aumentar a ingestão de calorias, fibras alimentares, ferro e cálcio, deixando o leite materno mais nutritivo e reforçado para saciar o bebê.
Além da aveia, existem outros grãos e sementes que são indispensáveis durante a gravidez!

Salmão

Quem gosta de salmão pode aproveitar alguns benefícios desse peixe tão nutritivo para a produção de leite. O ômega 3 encontrado na carne desse peixe é um dos responsáveis por melhorar a produção do leite materno e influenciar diretamente na formação cerebral do bebê, após consumido por ele na amamentação.

Água

Pare para pensar qual é a principal composição do leite produzido por você. Água, certo? Exatamente por esse motivo é tão importante que você beba muita água para não comprometer a produção de leite materno. Recomenda-se que a mãe tome cerca de três a quatro litros de água por dia (para se manter hidratada e produzir o leite), mesclado também com sucos e sopas, que também aumentam a ingestão hídrica diária.
Mesmo consumindo todos os alimentos apresentados acima, o maior segredo para garantir uma boa produção de leite materno para seu filho é manter uma alimentação equilibrada e variada. Mulheres bem nutridas raramente apresentam problemas na produção do leite.

Alimentação para mães que estão amamentando



Se alimentar bem e saudável durante o período de amamentação é muito importante para a mãe!! E por isso, a Nutrimãe (o primeiro clube de assinaturas no Brasil voltado à alimentação saudável de gestantes e lactantes) passa algumas dicas para as mamães que estão nesse período tão gostoso!!

A alimentação para mães que estão amamentando é algo muito importante para a saúde da mãe e do bebê. Assim, é importante fazer escolhas certas para que a mãe fique bem nutrida e consiga manter uma boa produção de leite. Durante o período de amamentação, a mulher tem um grande gasto energético, precisando se alimentar melhor.
Confira algumas dicas que vão ajudar você durante o período da amamentação:

Mantenha-se hidratada

Durante o tempo que estiver amamentando, seu corpo vai precisar de muita água: não precisa se forçar a beber uma determinada quantidade por dia, pois os hormônios que estão envolvidos na amamentação já dão a sensação de sede. A ingestão de líquidos pode influenciar a quantidade de leite produzida, além de ajudar a mamãe a ficar hidratada. Outro fator que influencia o volume de leite é a freqüência das mamadas, por isso, opte por aleitamento em livre demanda.
Carregue sempre uma garrafinha de água com você e beba um pouco de água durante ou depois da amamentação. Fique de olho em sua urina: se ela estiver clarinha, é sinal de que a quantidade de líquido ingerida está adequada.

    Ingira alimentos saudáveis

    A mamãe que está amamentando necessita de maiores quantidades de minerais e vitaminas do que mulheres não lactantes. Por isso, é importante evitar alimentos  muito calóricos e pouco saudáveis, como os que contém gorduras trans, frituras, doces e alimentos industrializados. Dê preferência para alimentos naturais, como frutas, verduras e legumes. Opte também por alimentos integrais, como pães, biscoitos e arroz.

    Modere o consumo de cafeína

    Fique atenta ao comportamento do seu bebê: se ele ficou irritado aparentemente sem motivo algum, pense nas coisas que você comeu. Modere no consumo de chá preto, cafés, mates e chocolate pois são ricos em cafeína e podem dificultar o sono do bebê. Prefira água, sucos naturais e chás de frutas. E se a vontade de tomar um cafezinho surgir, tente substituir o café tradicional pelo descafeinado. Hoje já é possível encontrar essa opção em mercados e diversas cafeterias pela cidade.

    Você também precisará de gorduras

    Gorduras boas não podem ser deixadas de lado: elas são importantes para a manutenção de sua saúde e para a produção de um leite de melhor qualidade para o bebê. Os ômegas 3 e 6  presentes nos alimentos como peixes, óleos vegetais, oleaginosas são indispensáveis para o desenvolvimento neurológico de seu filho.

    Alimentos ricos em cálcio

    É importante consumir alimentos ricos em cálcio. Este nutriente é encontrado não apenas em leite e derivados, mas também em grãos como gergelim, chia e aveia. A ingestão de uma dieta rica em cálcio é fundamental para a manutenção da saúde óssea da mãe e formação óssea do bebê.
    Com uma alimentação adequada durante a amamentação, você e seu bebê terão uma saúde excelente! 

    Corretor de Mamilos

    Uma das preocupações mais comuns das mães lactantes é a possível dificuldade na amamentação. Mamilos planos e ingurgitamento são apenas algumas das dores de cabeça que as mães podem enfrentar. Pensando nesse público, a Lansinoh Brasil lançou o Corretor de Mamilos LatchAssist. Livre de bisfenol A (BPA Free), o corretor tira o mamilo suavemente para fora para facilitar a pega do bebê e traz alívio para as mamas inchadas. É super fácil de usar. Com uma mão você consegue manuseá-lo enquanto estiver segurando seu bebê na posição de amamentação. A embalagem ainda inclui dois tamanhos (19mm e 24mm) para que você escolha o que mais se adapta a você. Existem diversos tipos de mamilo. Além do plano, tem também o mamilo protuso, o invertido e o comprido. Você sabe qual é o seu tipo de mamilo e quais as implicações dessas diferenças para a amamentação? A baby planner e diretora / co-fundadora da Materlux Baby Planning, Fernanda Meireles, nos esclarece essas dúvidas.


    Tipos de mamilos:

    Protusos: Estes mamilos, que também podem ser chamados de normais, são os mais comuns entre as mulheres. Sua saliência chega até 1 centímetro desde da aréola. Costuma facilitar a amamentação, pois se projeta facilmente quando estimulado.

    Planos: estes são mamilos que estão quase na mesma linha da aréola e não é projetado como o protuso. Ele não é nem saliente nem para dentro. Tais mamilos não costumam oferecer dificuldades para a amamentação, contudo algumas mamães podem utilizar corretores de mamilos para auxiliar a projeção temporária destes e facilitar a pega. Uma dica muito eficiente é que o bebê possa abocanhar grande parte da aréola na hora de amamentar. É válido lembrar que mamilos protusos podem tornar-se planos quando os seios estão muito cheios. Porém, isso deve e pode ser corrigido antes da mamada, realizando massagem e expressão (ordenha) do leite para que haja flexibilidade areolar e não dificulte a pega.

    Compridos: São mamilos com grande saliência ou protusão. A dificuldade na amamentação que esse tipo de bico pode trazer é o bebê, no momento da amamentação, pegar somente o mamilo, podendo causar fissuras. É importante que a mamãe esteja atenta para verificar se o bebê está abocanhando grande parte da aréola e variar posições para amamentar, pois assim pode verificar a melhor posição para uma pega correta e confortável para ambos.

    Invertidos: Estes mamilos são aqueles que são virados para dentro da aréola. Existem, dentro dessa classificação, os que são chamados de pseudoinvertidos, pois, se estimulados, podem projetar-se temporariamente para fora com o toque dos dedos em formato de pinça ou mesmo com o corretor de mamilos. Recomendam-se tais manobras de protusão sempre antes das mamadas e deve-se estar atenta para que tal procedimento não cause desconforto para a mamãe. 


    Dicas importantes
    - Em qualquer tipo de mamilo é muito importante que sempre se verifique a maciez e elasticidade das mamas para facilitar a pega antes de cada mamada.
    -É fundamental que se desmitifique que alguns mamilos impedem a amamentação. Isso não é verdade. Afinal, para que a pega esteja correta, é necessário que o bebê abocanhe a aréola e não o mamilo.  Se o bebê pegar somente o mamilo, isto pode causar fissura e ingurgitamento (empedramento) e a ordenha e esvaziamento adequado das mamas não acontece.